Menu

gaia host
Home Quem SOmos Anuncie Contatos

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Quer um pouquinho? Quer, quer, quer?


por Lucas L. Rocha

Ok, vamos ao papo sério hoje: obesidade. Todo mundo já sabe – ou pelo menos deve saber – que a obesidade é um mal que vem afetando a população mundial de uma forma avassaladora, sendo tratado como caso de saúde pública em países como os EUA, onde a taxa de pessoas acima do peso ultrapassa os vinte e cinco por cento.

Quando penso em obesidade, a primeira coisa que vem a minha cabeça é minha própria infância. Desde que tenho lembrança, fui uma criança gordinha, dessas que é sempre zoada nos corredores da escola e que volta pra casa querendo estourar as paredes do quarto de tanta raiva. Eu, na minha condição de dez anos de idade, não entendia muito bem porque meu irmão e eu comíamos as mesmas coisas e ele continuava com o mesmo peso e eu não. Sempre achei que Deus havia favorecido ele e me deixado um pouco de lado, ou que eu era um azarado e ele um sortudo. Não entendia muito bem o que era genética e nem como isso podia influenciar na minha composição biológica.

Crescido e deixados os traumas infantis de lado, percebo que a obesidade (sobretudo na fase infantil), além de ser um mal de saúde, é um mal psicológico, que agrega questões de bullying, baixa autoestima e – nos casos extremos – até mesmo depressão. Toda essa salada ainda se reúne ao bombardeio de uma mídia egoísta que se preocupa tanto em vender os seus alimentos, mas não em manter o seu mercado consumidor vivo para consumi-los pelo maior tempo possível. Comidas enlatadas e congeladas, gordura transsaturadas, fast food, disque-pizza, yakisoba, tudo isso casa perfeitamente com a correria do dia-a-dia e o consequente acúmulo dos pneus e mais pneus abdominais.

Tratar da obesidade é uma tarefa das mais complicadas: é difícil convencer uma criança de que ela não pode comer suas balas e seus sanduíches quando todos os seus amiguinhos comem e ela é aquela que mais engorda. Crianças não entendem o que é genética, pré-disposição para engordar e muito menos obedecem proibições. E quando crescem, vem aquela história de “maus hábitos são difíceis de mudar” e aí já viu: crianças gordas se transformam em adolescentes gordos e depois em adultos gordos, infelizes e insatisfeitos com sua imagem, além de desmotivados para mudá-la.

No entanto, não se pode dizer que iniciativas não estão sendo feitas para alterar esse quadro e trazer hábitos saudáveis desde a infância. Exemplos legais são os das escolas que implementam frutas, verduras e legumes em seus cardápios (http://www.abbabatatabrasileira.com.br/revista11_022.htm) e em leis que proíbem a distribuição de brinquedos do MC Donalds (http://info.abril.com.br/noticias/blogs/planetaverde/2010/04/29/mc-lanche-feliz-proibido-em-cidade-dos-eua/). Iniciativas tímidas, é verdade, mas ao menos iniciativas.

O que cabe a cada um é saber que porcarias são deliciosas, mas não devem ser comidas sempre. Vale a pena ouvir aquela velha história da mãe chata de ‘você só vai ter sobremesa se comer todos os legumes do prato’. Até porque viver só de sobremesa não vai te deixar magro(a) como a mulher do leite moça: é mais fácil você ficar parecido(a) com a lata, rechonchudo(a) e cheio(a) de curvas extras.

27 comentários:

  1. Adorei o post lucas L. Rocha

    Realmente a sociedade nos atira ao mundo das guloseimas sem se preocupar com nosso futuro, e depois nós cobra um corpo saudável.

    ResponderExcluir
  2. assino embaixo! e principalmente da parte que vc fala da mídia egoísta!

    ResponderExcluir
  3. Concordo totalmente com o que tu diz!

    tmb fui gordinho e mtu zuado quando pequeno ! =\

    http://artedodiogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Concordo totalmente, pq eu tmbm era um gordinho zuado na escola =\

    http://artedodiogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. adorei, muito boa mesmo a parte da mídia !!

    ResponderExcluir
  6. converço sobre isso bastante com meus pais . para que eu nunca saia zoando os outros . eles me aconselham muito

    ResponderExcluir
  7. Sou obeso morbido, e concordo com o que está escrito. Porém não pode-se deixar de lado o preconceito contra o gordo.
    Pode ser involuntario, mas cada atitude, cada palavra cada tudo, nos atinge

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o post! E eu concordo.

    ResponderExcluir
  9. Concordo totalmente. Sem contar que a mídia, ao mesmo tempo que nos bate na cara com todos os tipos de comidas deliciosas, tortura-nos cruelmente por pesarmos 10 gramas a mais do que deveríamos. Ao mesmo tempo que somos influenciados a comer que nem loucos, somos influenciados a pesar 20 kg.

    ResponderExcluir
  10. @felipeneto tinha que fazer um vídeo dos obesos colocar travesseiros na barriga e deitar no sofá assistir tv e comer batata frita kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Realmente e infelizmente isso é verdade,muito bom seu post.

    ResponderExcluir
  12. Eu sou uma pessoa que não está muito no peso ideal .. e essa matéria me ajudou muito !
    Agradesso muito a você Lucas *-* OBRIGADO!*

    ResponderExcluir
  13. Discordo bastante. O problema principal não é a alimentação, mas a falta de exercício. Eu sempre comi de tudo, e nunca tive problemas com peso, pois quando começava a engordar, aumentava a carga de exercícios, isso desde criança.

    E a pior coisa possível é essa história de comer a sobremesa só se acabar os legumes. Além de fazer a criança comer mais (legumes E sobremesa), ainda tem um malefício psicológico, pois põe a sobremesa como um prêmio, a valoriza demais no subconsciente da criança, o que fica enraizado nela, e só sai com muita terapia.

    ResponderExcluir
  14. Concordo. Tive uma infância assim, vivo querendo emagrecer, mas se eu te falar que estou fazendo dieta, mas neste momento, estou comendo Doritos, com certeza, vai querer me matar.

    Acho que, além de fazer dieta, preciso ter uma reeducação alimentar e psicológica.

    E tbm assino embaixo da parte da mídia.
    A mídia influencia muito...

    ResponderExcluir
  15. Excelente! Quando eu era criança odiava as retrições da minha mãe com relação a comer qualquer coisa e me fazer comer vegetais SEMPRE. Hoje agradeço mesmo pois sou acima do peso mas sei que isso é um problema genético e me controlo o máximo possível, se não tivesse tido essa educação, onde estaria hoje? Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Gostei muito sobre o que vc acabou de refletir, já ví muitas palestras sobre alimentação e tal mas são os pais que deveriam assistí-los não as crianças :T enfim, me fez ajudar e muito sobre o caso. Parabéns pelo post

    ResponderExcluir
  17. post sem conteúdo...a mídia não é egoísta, a mídia é controlada pelo capitalismo, a sociedade éé capitalista...até a obesidade é fruto da alienação dos seres humanos e esse post só ressalta o quanto as pessoas se deixam controlar pelo capitalismo e pelas modinhas e me parece que uma modinha que vem crescendo é a de ser O REVOLTADINHO, O CRÍTICO. O CONTRA FLUXO, mas o que a maioria das pessoas que fazem isso querem msm é aparecer, sendo que nunca leram um livro critico social, ou leram e mesmo assim se corrompem (vide felipe neto).
    Gente, acordaaaaaa....vão ler, refletir e buscar conhecimento p/ depois falar de mídia, problemas sociais e sociedade...

    ResponderExcluir
  18. kkkkk "viver só de sobremesa não vai te deixar magro(a) como a mulher do leite moça: é mais fácil você ficar parecido(a) com a lata, rechonchudo(a) e cheio(a) de curvas extras."

    ResponderExcluir
  19. A mídia fala tanto de produtos "engoradivo", quanto de light, de viver bem, de beber mias água, de consumir produtos de soja. Vamos parar de botar culpa na mídia por atos que as pessoas cometem. Além de gordas, são assumem o que fazem. Aí é demais!

    ResponderExcluir
  20. Ao anônimo aqui em cima (te chamar de covarde já é pleonasmo... porque quem escreve anonimamente não honra as calças que veste, certo?)... quando a mídia começou a falar sobre produtos light, gorduras vegetais, coisas integrais?

    Tenho 22 anos e não lembro de nada disso na minha infância. O que tinha só era diet - coisas que não tinham açúcar, mas uma porrada de gordura pra deixar doce.

    O fato é: a mídia tem muita culpa SIM porque a mídia existe com o único e exclusivo propósito de vender coisas. Há uns 10, 15 anos atrás eram doces, coisas coloridas, salgadinhos, McDonalds que vinham com brinquedos muito legais. Hoje, a moda é saúde. Agora a propaganda nos incentiva a comprar coisas integrais, grãos, coisas com 0 de gordura trans e que deixem a pele e o cabelo bonito, regulem a menstruação, te façam feliz e façam seu intestino funcionar direito.

    Acho isso errado? MUITO PELO CONTRÁRIO! A obesidade é um problema de saúde pública e as principais causas de morte no mundo ocidental - doenças vasculares cerebrais, infartos cardíacos, câncer e diabetes estão muito bem relacionadas com a obesidade!

    Tenho pena de você, que aparentemente não se deu ao trabalho de ler o texto, e que não tem um mínimo de discernimento de compreender que obesidade é um problema multifatorial, não só relacionado com o que você faz. Se esse fosse o caso, garanto que não existiria gente gorda no mundo, porque não acho que existam muitos gordos que gostem de ser gordos. Isso é um problema que tem a ver com várias coisas: genéticas, hábitos, estrutura psicológica,...

    Hábitos, valores e costumes são coisas que nós adquirimos na infância, e estão diretamente ligados às nossas famílias e ao ambiente que a gente vive. Se a televisão mostra uma super-propaganda sobre um produto, a criança VAI querer e foda-se se faz mal. Se os amiguinhos todos comem chocolate, doce e salgadinho, você VAI querer também. Ninguém é muito feliz sendo o freak que bebe leite de soja enquanto todo o resto da turma bebe coca-cola... pelo menos não enquanto você é criança/adolescência e sente essa urgência em fazer parte do grupo.

    Enfim, fica aqui a minha opinião. Muito interessante o texto e a discussão!

    Valeu! =)

    ResponderExcluir
  21. Em vez de cruzar os braços, continuar comendo de tudo e colocar a culpa nos outros por serem gordos, os indivíduos deveriam AGIR! Basta ter uma alimentação saudável e praticar exercícios sempre.
    Se o seu problema não for genético (para o qual, aliás, também há solução), você não passa de um preguiçoso conformado!

    ResponderExcluir
  22. Também já passei por isso quando pequena e posso dizer que assino em baixo de tudo que disse, com certeza. (:

    ResponderExcluir
  23. Eu já fui obesa,mas colocar a culpa nas industrias de alimentos não-saudáveis não é certo em,tem muita gente que come e nem engorda como você mesma disse,os pais tem que proibir as crianças de comer porcaria,não compra-las,elas vão tirar dinheiro de onde?

    ResponderExcluir